dúvidas


Minha dúvida não é se vou encontrar meu horizonte.
Mas sim quando vou descobrir a fonte,
De onde vem tamanha ilusão.
Minha dúvida não é saber se irei sempre viver.
Mas sim o medo de todo esse enredo,
E de não saber onde é o final.
E sabendo que minha mente é anormal,
Eu me pego anoitecendo e amanhecendo,
Analisando essa coisa fútil, banal.
Não quero regras, lições, réguas nem leis.
Quero continuar solta pelo mundo.
Sempre duvidando de tudo
Que vem fácil e vai fácil,
Como uma simples paixão.

08/05/2006


Sobre entojo

É alma que não se cala; Palavra que tira de tempo; Transbordo de sentimentos... Não é sopro, nem é v e n t o; É livre, leve e solta; É ar em m o v i m e n t o…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *