Arquivo mensal: outubro de 2008


teu nome mais secreto 3

Só eu sei teu nome mais secreto
Só eu penetro em tua noite escura
Cavo e extraio estrelas nuas
De tuas constelações cruas

[…]

Só meu sangue sabe tua seiva e senha
E irriga as margens cegas
De tuas elétricas ribeiras,

Sendas de tuas grutas ignotas

Não sei, não sei mais nada.
Só sei que canto de sede dos teus lábios
Não sei, não sei mais nada.

Adriana Calcanhoto


segredos 2

todos nós temos segredos
e tudo muito bem escondido
um affair com a empregada
um beijo no melhor amigo.

todos nós temos coisas a esconder
do namorado, de mim, de você
um amasso furtivo na escada
uma fantasia de puta mascarada.

todos nós temos segredos
e vale a pena os esconder
esconder não é mentir
omitir é saber se vender.

todos nós temos coisas a esconder
e não vale a pena esquecer
todos mentimos da mesma forma
para continuar a conviver.

Brisa Dalilla =27/10/2008=


balada da pistoleira 1

escondo o pranto no canto (surdo).
me fecho, me escondo. escuridão, meu escudo.
anoiteço, amanheço.
de tempos em tempos, entristeço.
caio no mais profundo sono
(porém acordada)
e concordo, apesar de querer discordar,
soltar, gritar!
de tempos em tempos penso em mudar meu mundo,
meu tudo, meu nós, vós, eles (elas)
tantos corpos juntos numa só voz
mas observe: estão todos a sós!
perdendo-se entres beijos, desejos
ensejos de amor sem fim.
é dor demais que permanece
pra todos nós. talvez até pra mim.
não posso, não devo, não tento
nessa loucura de querer demais.
me entrego sempre por inteiro
temo só o que não fica pra trás,
o que ganho ou o que perco
whatever, tanto faz.
e nesse jogo de amar,
que tanto me pede para tentar
insisto tanto em me testar,
que chego a me detestar!
e ainda insisto nessa corrida estúpida
de não saber o que fazer
querer sair, sumir, desaparecer,
já sabendo que não há de acontecer.
ainda não entendo muito de amor.
tudo que consegui foi na base da dor.
mas eu juro que um dia quero entender,
as formas, os corpos, os gostos
as mentiras que fazem viver.
todos somos únicos e especiais
cada um da sua forma
cada um na sua hora
(e passa a bola mão de cola!
que agora não é sua vez mais!)
1, 2, 3
abre-se a cortina para o fim da balada
prevendo o dia em que serei estanque,
calminha, como água parada,
(frase correta e acabada).
não esse desassossego pungente,
longe de ser normal como essa gente.
sou hipócrita com minhas próprias convicções
esqueço dos rostos, nomes, me faço de mudo
esqueço o que falo, o que acredito
só pra depois dizer que foi surto.
isso tudo porque me dá medo de não acertar,
ou de não saber como errar.
medo de me confundir, se não ponderar.
medo de ir embora e medo de ficar.
medo forte, assim, medo sem fim
medo de deixar de existir pra você
(e pra mim)

Brisa Dalilla =27/10/2008=


Com[Pressão]

Você não faz arte,
Você cria vida.
Tudo que toca, anima;
Tudo que pensa, esquenta;
Tudo que escreve, ferve.
E eu, panela de pressão,
vibro, sopro, assobio
e até explodo.
Como não?!

Pedro Camena. *28.06.2008*


da série: chats da vida, cotidianos 1

Não é somente de chats cômicos que vive o Entojo… Às vezes as coisas saem do nível engraçado e chegam num limite “absúrdico”. Linha super tênue entre a brincadeira e a baixaria.

Enquanto isso, no chat dum jogo de cartas online…

anfejope> seus burros!!
entojo> uééé…
entojo> ta doido, rapaz?
barbara28675> ta se referindo a quem?
entojo> é o que eu tô me perguntando há exatos 10 segundos…
anfejope> olha a foto do mateuss feio
anfejope> sai dai sua maluca! sua @#$%!
barbara28675> vc q eh maluco, nem me conhece e ta me chamando de @#$%!
entojo> analise bárbara. das duas uma… ou ele tem 15 anos ou tem um pinto muuuito pequeno…
entojo> hahahahah
barbara28675> faz sentido

(mais…)


boa noite

Meu ar de dominador
Dizia que eu ia ser seu dono
E nessa eu dancei
Hoje no universo
Nada que brilha
Cega mais que seu nome

Fiquei mudo ao lhe conhecer
O que vi foi demais, vazou
Por toda selva do meu ser
Nada ficou intacto

Na fronteira de um oásis
Meu coração em paz, se abalou
É surpresa demais que trazes
Ainda bem que eu sou Flamengo
Mesmo quando ele não vai bem
Algo me diz em rubro-negro
Que o sofrimento leva além
Não existe amor sem medo
Boa noite!
Quem não tem pra quem se dar
O dia é igual à noite

Tempo parado no ar
Há dias
Calor, insônia
Oh! noite
Quem ama vive a sonhar
De dia
Voar é do homem
Vida foi feita pra estar
Em dia com a fome
Com a fome, com a fome
Se vens lá das alturas
Com agruras ou paz
Oh, meu bem
Serei seu guia na terra
Na guerra ou no sossego
Sua beleza é o cais
E eu sou “o homem”
Que pode lhe dar
Além de calor, fidelidade
A minha vida por inteiro eu lhe dou.
Minha vida por inteiro eu lhe dou…
Minha vida por inteiro eu lhe dou!

http://www.youtube.com/watch?v=17BIbwmt96Y

Ps: Já tava com essa música na cabeça desde anteontem… Agora, então…


versos inversos 3

te amo porque teu cheiro não sai da minha pele, nem que esfregue mil vezes, na tentativa de diminuir a saudade;

te sinto porque sei que me sente, e em sua enorme presença em mim, me cobre, me acalma, me excita e me entende;

te desejo porque seu coração me governa, sua boca impera sobre minhas atitudes, seu corpo me chama, me ama, me atende e me cama;

te entendo porque somos feitos da mesma matéria, estranha (da entranha), fomos contruídos do mesmo barro, nascemos na mesma natureza;

te excito porque não há outra forma, a vontade da paixão me descontrola, o carinho do amor me domina, o ato de te desejar me ensina a excitar;

nos amamos, nos ensinamos, nos permitimos, nos desconstruímos;
nós na cama, nós na fama, nós nos nossos próprios desejos conectados;
eu que amo, você que ama, eu que desejo, você que deseja;
versos inversos reversos e desconexos,
para constatar o inconstatável;
a existência do amor com regras e desregrado,
da vontade imensa e inquestionável,
da saudade intensa que aperta os sentimentos,
do desejo de estar com você além do tempo.

brisa dalilla =ontem de noite=

saudade, muita saudade


Sábado Animado 2

Depois de uma noite de sonhos maravilhosos com a tríade, fui intimada a participar do aniversário de 4 anos dos Apreciadores de Cerva! São aquelascoisa, né? Que sou eu pra dizer não a Tassêra, Rudrigão, Segundêra, Felipêta, Leozin, Dum, Rafilsk, Dumbagas, Jackêra, Sinvalzin, Aulêra, Beré, Rildinho, Marlon, Serviço e etc etc etc etc (vou morrer seca se citar todos os agregados do grupo)?!! Se não for, acordo (ou melhor, não acordo) morta! Apreciadores é um grupo que se formou à partir das reuniões da galera reminiscente do terceiro ano do Galileu e hoje é um dos maiores grupos farristas de Itabuna e região! Então… Biquíni numa mão, caneca na outra e vamo que vamo! Não tentem me achar, que meus dois celulares estão em casa, dormindo, lindos e loiros. Pode até deixar recado… Mas, eu hoje, meu amigo, só amanhã! ERREI!!!!


Essa época de seca no nordeste…

Tá russo o negócio aqui, meu povo. Calor miserável, muriçocas a dar de pau em doido (uiiii!) e eu na seca… Ops! O nordeste na seca! O Brasil na seca! Todo mundo na seca! Ahhhhhh, era pra ser um trocadilho, né? Me perdi. Ato falho, desculpa. Deve ser essa secura do mundo todo. Já tá afetando meus neurônios, meu raciocínio lógico, a vida, o universo e tudo mais [don’t panic! já diria o guia do mochileiro das galáxias]. Sede da porra… Peraê… *bebendo um litro d’água* Vou ligar aquela velha playlist só com Dave Mathews e sua voz roooouca delícia de mãe e dormir (e pra ver também se acalmo e se passa esse calooooor duzinferno!). Vou sim, meus amigos. Dormir e sonhar. E hoje (já tô apostando alto, olha só…), no meu sonho vai ter a tríade. Ééééééééé! Os incomparáveis, os inigualáveis, os incomensuráveis, os super-ultra-mega-power-lega-laser, meus mais perfeitos sonhos de consumo forever and ever: Chris Cornell, Hugh Jackman e Rico Mansur!!! Mas vou ser boazinha com o creme de minha vida. Nesse sonho eles só vão fazer coisas básicas e triviais. Hugh vai me dar massagem, passando aquelas unhas wolverínicas em minhas pobres costas cansadas. Rico vai me trazer comida japonesa de 5 em 5 minutos, dando (uiiiii!²) sashimizinho de salmão na boca, marréclaro. Enquanto isso Chris vai cantar “you call me a doooog” delicinha no ouvido. Só trivialidades, trivialidades (nesse caso não tão randômicas, já que sonho como esse só uma vez no ano. Pena)… Mas é isso, aí. Sonhar é bom, é bom sonhar. Pelo menos é melhor e mais empolgante que ficar assistindo Amaury Jr., matando muriçocas e ouvindo minha amada mãe roncando do lado, né. Ééééé. Nem rola… (uiiiii!³) Nem dá… Citando meu grande amigo e filósofo, Zaratruta “Vamo é sonhar, porque comer engorda, amar tá difícil e ganhar dinheiro impossível!” Beijomeliga

Sobre a arte de não ter idéias

Cri…
Cri…
Cri…

*bola de feno passando*

[…]

Tá um paradeiro isso aqui, né? As idéias tão demorando de surgir… Mas relaxem. Fé em God, que novidades estão por vir. E se tudo der certo, rola uma trip já na semana que vem. Aí sim! Tô precisando sair desse antro azevedista que se tornou Itabuna. Argh! E ainda estou decidida a não pisar na praça da fonte luminosa (emprestada) por quatro anos! Hunft! Deixa eu ir ali que desde de manhã estou empenhada em jogar metade do meu quarto fora… Quem sabe arrumando meu cafofo não acontece algo diferente… *rs* Ah sim, assim que me der um tiquinho de paciência, venho fazer mais um post diarinho contando minhas últimas peripércias. Os enviados de Murphy têm me perseguido por todo lugar onde vou. Acho que dá um caldo. Então tá, então…
Beijo, outro, tchau (by Manu)