Arquivo mensal: janeiro de 2009


Agonia 1

São olhos que não se vêem,
Bocas que não se beijam,
Braços que não se enlaçam.

São dias sem alegria,
Mágica sem fantasia,
Pedaços de sim, cheios de nãos.

São noites, em si, tão vazias,
Camas, que quentes, são frias,
Palavras sem cor, nem razão.

É o sim que revela desprezo,
Caminho difícil, tropeço,
Em suma, a falta de chão.

São tórridos tempos de fúria,
Augúrio do tempo sem forma,
Resumo do meu dia não.

Brisa Dalilla =13/09/2008=


Eu sempre quis mais 1

Eu sempre quis mais um pouquinho de tudo. Do seu jeito, do seu carinho, do seu sorriso. Sempre quis mais um tiquinho de atenção. Ou de pelo menos um pouco mais do que você poderia dispensar.

Eu sempre quis mais beijos, mais desejos e mais sentir. Sempre quis mais um abraço (porque abraço significa mais que amasso). Quis mais um tantinho de você em mim, sem que isso significasse necessariamente ter você pra mim.

Quis tudo e tanto que acabei não tendo nada. Fiquei com o tempo que sobra. Com o resto da hora. Com os quinze minutos antes de você, sutilmente, partir.

Fiquei com pouco porque me permiti ter pouco. Fiz parte do tantinho. Do pedacinho. Do fim do fim. E essa decisão sempre coube a mim.

Mas me nego a decretar esse tal fim. Não sei porque cargas d’água deixei que acontecesse assim.

Aliás, sei sim.

Talvez essa seja a certeza que não me permito acreditar. No fim das contas eu me engano de que sei me entregar. Ou ao menos agarrar (e não soltar) tantas oportunidades óbvias.

Culpa? Apenas eu tenho. Porque quis, mas não consegui demonstrar esse querer. E hoje só tenho medo de ter medo de amar e, sem querer, endurecer.

Brisa Dalilla =08/04/2008=


heim?

olhei uma lagartixa passeando na parede aqui da empresa hoje e chorei. olhei pra a colher cheia de margarina pra pôr no cuscuz, lembrei dos comerciais temíveis de margarina (que mostram que você nunca vai ter aquela coisa perfeitinha na vida) e chorei. se me encontrarem na rua não perguntem “e aí, como vai?”, que eu vou dizer “indo, indo. vindo nada!” e vou chorar.

cacete! será que eu vou desidratar?
vou beber mais água.
begos
___________________
edited: pensei melhor. me ligaram aqui e eu vou tomar é uma cerveja!
begos again

VOCÊ ESPERA 2

Você espera sempre por aquele carinho manjado,
As mesmas pessoas de sempre,
Fazendo as mesmas coisas de sempre.

Você se satisfaz com tão pouco,
Com o trivial, o imutável, o normal.
Você não quer alçar, correr, crescer!
Não quer fugir, saltar, sumir!
Não quer mais do que a vida pode te oferecer.

Você não quer emoção,
Não quer amor de nenhum coração!
Não quer saber como é ser amado da melhor forma,
Ou de outra forma qualquer…

Conformado…
Você sempre estará aí estático, parado,
No seu mundo infantil.
Nessa rede de pessoas sem emoção,
Que não vivem pelo coração.
Apenas levam suas vidas,
Sem fazer a menor diferença.

E que diferença faz?

Brisa Dalilla =25/10/2005=


boring boring boring 1

nenhum post novo nos blogs que eu leio… nenhuma visita a este humilde blog sem pretensão (ou não!) nos últimos 20 minutos… o estagiário da globo.com não publica mais nenhuma notícia relevante… a rádio fênix tá tocando umas músicas terríveis… e, pra completar, a festa “nordestina” do bbb – via PPV, sure! – já tá na hora do funk (fu-fu-furacão 2000!), ou seja, nada mais a se fazer na internet. morreu. cabô. ces´t fini.

au revoir, mon cher. é hora de dormir.

beijosequeijos

terceirizando

Então… Como eu tava dizendo. Encontrei um amigo meu das antigas na rua e ele começou a falar que tava com uma namoradinha em cada bairro, totalizando três. Olhe só a coragem do rapaz. E eu midivertindo, e ao mesmo tempo me perguntando “Mas menino, coméquipode? Eu não daria conta de tantos!” tal e coisa. Aí ele (que é todo metido a engraçadinho como eu) manda essa:

Acho que preciso me conscientizar.

Já que conta não posso dar,

o melhor é terceirizar!

HAHAHAHAHA
Ficadica aí pra galere nervosa cheia de namoradinhos.
Ps: não vistam a carapuça em vão, tá bão?
eu mesma, vejam só, não vesti! imagine! HAHAHA

novidades? 4

então que dizer que vocês estão atrás de novidades… olha, fazer reclamações de que o blog não tá atualizado via fone, nem rola… se essapoha tem opção de comentários, é pra comentar, ora bolas! entonces… tô trabalhando (é nítido, devido meu sumiço das trivialidades bloguísticas) e isso é muito bom, claro. agora sim eu vou poder mudar a fala normal de “Tô sem reais” pra TÔ com CEM REAIS! essa é a única novidade importante. a única coisa que posso dizer “tudo certo e tudo resolvido”. prrrrq de resto, o mesmo bololô de sempre. ou, como fica melhor de entender, tudo na mesma desordem habitual. fato é que quito capenga (meu periquitinho de estimação) tá sentindo tanto minha falta que agora não quer mais dormir na gaiola dele. prefere minha cama. e isso se aplica a minha mãe também, que prefere que eu durma na cama dela. e nem adianta avisar que não tenho hora pra voltar pra casa. os dois ficam super preocupados… *risos* o resto das pessoas e do mundo ME ESQUECEU de com força. mas eu sou uma pessoa elevada e racional (mente que nem sente) e vou continuar no meu sambarilove minha vidinha. o que não tem solução, solucionado está, né? e samba e amor na minha cama sempre vai rolar (manacá rules ever!) independente do que o coração pede e ordena a sua dona. entooooooooooooooooooooon, pessoas. vamo levando e correndo e tal e coisa e coisa e tal. não vou dizer que 2009 é meu ano, que vai ser perfeito e bolinha cor de rosa. ao menos vai ser o ano de pular de com força na mola que tá no fundo do poço e saltar bonito! rezemos para que murphy me erre e esqueça de minha existência; que eu tenha força e vontade necessárias pra por meus planos adiante; que tenha a mesma força pra terminar coisas e expurgar os mini-demônios que me perseguem; e por último, mas não menos importante, que eu aprenda a escrever nos moldes do novo português, pós reforma. e que god, meu god, do pagode os abençôe para que tudo permaneça lindo, loiro e japonês como esperamos. eu bem que poderia colocar como resolução de ano novo parar de escrever com figuras de linguagem e expressões engraçadinhas a cada duas frases, mas aí qual seria a graça, né? e vocês são inteligentinhos pra sacar as paradas e tal e coisa. eu sei. remains the hint! kisses n’ cheeses. foi lindo. quer dizer,

metade

você não sabe metade das coisas que eu deveria realmente dizer.

não sabe porque tenho medo de contar
e sei que se disser posso me perder.
um dia ainda vou aprender a falar
que você não sabe metade das coisas que eu quero te contar.
sobre o que sonho pra nós dois,
sobre o que espero de nós dois,
sobre o que espero pra nós dois.
você não sabe da metade das noites que passo sem dormir
ou até sem fome
ou com vontade de sumir.
sumir pra ver se me esqueço.
porque só se me esquecer, eu te esqueço.
porque eu sei o que você merece e o que eu mereço,
porque eu queria que o fim ditasse um novo começo.
você não sabe o que é me sentir tão completa e tão vazia.
não sabe que o calor que perto, esquenta,
de longe esfria.
não sabe metade do que padeço e talvez ache que não mereço.
mas sabe que amar você eu sei.
você talvez não entenda nem metade do amor que sinto.
que é tão maior do que eu pensava, que às vezes minto.
minto pra parecer que as coisas são realmente normais.
que as leves ofensas não me atingiram jamais.
minto porque é do meu feitio mentir.
pra um dia chegar e explodir.
e te dizer verdades que não sei o que são na verdade.
se raiva incontida no coração.
ou se mágoa de quem sofre em vão.
ou se é amor que se sente.
que no fim das contas é a única parte de mim que não mente.
e que sente.
fundo e forte.
sente demais até.
sem pudor e sem sorte.
até o dia que meu coração achar que der.

quer dizer, [parte 1] 1

Já que a inspiração foi pra a casa do car…valho (aê Ruy Carvalho! Te dando IBOPE, heim!), pensei em fazer a merda listar todas as frases de efeito/impacto e meras expressões cômicas que uso diariamente (todo dia o dia todo), pra ver se são a merda que eu penso muitas mesmo. Vamo lá, comigo (uhuu!):

Assim como são as pessoas, são as criaturas

Expressão usada comumente no fim de uma frase ou diálogo, quando não se tem muito a dizer, dignamente roubada de Didi Mocó Sonrisal Colesterol Novalgino Mufumbo, rei das expressões idióticas desse brasilzão de meu Deus.

ex: Interlocutor 1- Pois é fulano, ele me traiu. Agora não sei o que fazer…
Interlocutor 2 – É, menina. Assim como são as pessoas, são as criaturas…

Viu como completa e explica tudo? Belezura… Próximo!

A vida é bela e as pessoas são legais

Adaptação feita de outra expressão muito usada por mim, na época do sucesso dos filmes A Vida é Bela e Central do Brasil. Antigamente a piada funcionava bem quando eu respondia “A vida é bela, não é central do Brasil!”, mas hoje em dia ninguém lembra mais disso. Então adaptei o babado, tornando a frase bem mais sonora e empregável em diferentes situações.

ex: Interlocutor 1- Caramba, sicrano. Eu achava que a galera lá gostava de mim. Mas nãoseiquemzinha me disse que eles falam mal de mim pelas costas…
Interlocutor 2 – Relaxa, moço. Abstraia e pense que a vida é bela e as pessoas são legais. =D

Pois é, né? Então…

A expressão mais linda e loira da face da terra. Fecha qualquer conversa, deixando claro que 1- o papo está desinteressante, 2- você não quer mais conversar e 3- cala a boca, porra! Adoro, adoro e adoro. Boa pra ser utilizada em papos com carinhas estilo miguel, meu amado coleguinha emeésseênico.

ex: imaginem o chat com miguel e pensem em que situação vocês poderiam usar.

Talvez sim, provavelmente não

Expressão introduzida por Diva Brito no nosso lindo cotidiano. Observem a característica dúbia (quase tríbia – opa! mais uma expressão) desta frase. Você explica e complica com a mesma facilidade e ainda introduz um mistério no ar. Fantástico!

ex: Interlocutor 1- E aí, fulaninho. Você vai largar seu trabalho pra virar hippie mesmo?
Interlocutor 2 – Talvez sim, provavelmente não… ¬¬

Dúbio, quase tríbio

Até hoje me espanto com essa. Porque nós temos formas de demonstrar que uma coisa tem duplo sentido, falando o básico *Dúbio isso, hã!*. Mas quando queremos falar de triplo sentido (vocês sabem, né… quando extrapola o duplo sentido) não há palavra que caiba tamanha magnitude! Aí saiu de minha boca essa coisa linda, que só pessoas evoluídas psicoticamente entendem.

ex: Ah… Botem suas cabecinhas pra funcionar… Cansei de exemplos. ¬¬

Entãããão… Vão me lembrando de mais expressões idióticas que vocês ouvem de minha boca (e que merecem análise) e gritem aí nos comentários. Eu só dividi essa bagaça em duas partes prrrq misquici das coisas que eu mesma falo. Bonito isso, né!

Tipo hoje, numa entrevista de emprego… Tinha lá no questionário Qual seu maior defeito?, e eu (linda, loira e japonesa) respondo: Minha memória é a minha agenda, nada mais. Ou seja, além de feia, chata, boba, cara de mamão e mais zilhares de defeitos, sou uma desmemoriada. E vocês ainda me dão crédito. Ora bolas… Quer dizer,

=D