Desalinho 1


Gosto das cores dos gostos e do sentido no que não há sentido
Gosto do tempo que não pára e que às vezes passa tão lento
Gosto do bafo quente do vento e do clima estranho
Gosto do que gosto e não tenho que ficar justificando todo o dia
Mas justifico sempre e sempre e sempre
Tenho essa necessidade infinita de dizer o que sinto e o que penso
De me justificar a tudo e a todos mesmo sabendo que não preciso
E se amo é porquê me deu vontade de amar e de demostrar
E de todos os dias encher de beijos e de amor aqueles que amo
Mesmo que esses beijos e esse amor sejam em tese imaginários
Que talvez eu beije e ame em pensamento
Sem demonstrar todo esse gostar com carinhos furtivos e palavras soltas
Gosto dessa loucura entranhada em mim
E escrever sem pontos e vírgulas quando bem entender
Queria que um dia todos os textos fossem soltos
E que não tivessem pontos nem vírgulas
Aí cada um poderia tirar dele o sentido que quisesse e bem entendesse
Mesmo que queira passar algo ou fazer algum sentido
So sei que gosto do gosto dele gosto do gosto da pele dele
Gosto de sentir o gosto dele dentro de mim
E olha que eu não pensava em escrever nada erótico
E na verdade isso aqui não é erótico
São palavras soltas e soltas e soltassss
Quem sabe você não está entendendo errado
Algo como bla bla bla whiskas sachet
Se eu não me entendo como você vai entender
E se quiser coloque um ponto de interrogação na oração acima
Se quiser faça o que quiser a vida é sua a vontade é sua sempre
Use os sinais gráficos e acentos onde bem entender
Enfie as interrogações no lixo da vida
Insira exclamações na sua existência
(Te dou várias toma !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!)
E não use pontos finais
Até porque as coisas não tem fim
Os amores as dores o tempo o espaço a vida
A tinta pra pintar cores diferentes na vida
As coisas não terminam
Nem boas nem ruins nem mais ou menos como queira
E nessas teorias doidas dela eu acredito
Vamos parar esse texto por hoje mas já sabendo que ele não tem fim
Um beijo um abraço e um até breve

Hoje sem rima

Brisa Dalilla =03/03/2008=


Sobre entojo

É alma que não se cala; Palavra que tira de tempo; Transbordo de sentimentos... Não é sopro, nem é v e n t o; É livre, leve e solta; É ar em m o v i m e n t o…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Um pensamento em “Desalinho

  • Êilín

    hahaha
    adoooorei!!! =D
    adorei msm!

    “Que talvez eu beije e ame em pensamento
    Sem demonstrar todo esse gostar com carinhos furtivos e palavras soltas”…. eu toda!!!! (e vejo q peguei algumas de suas exclamaçoes!! ops! de novo……. brigada – sem ponto final)