Arquivo diário: junho 3, 2009


12 Conselhos para ter um Infarto Feliz 1

1. Cuide de seu trabalho antes de tudo. As necessidades pessoais e familiares são secundárias;

2. Trabalhe aos sábados o dia inteiro e, se puder também aos domingos;

3. Se não puder permanecer no escritório à noite, leve trabalho para casa e trabalhe até tarde;

4. Ao invés de dizer não, diga sempre sim a tudo que lhe solicitarem;

5. Procure fazer parte de todas as comissões, comitês, diretorias, conselhos e aceite todos os convites para conferências, seminários, encontros,reuniões, simpósios etc;

6. Não se dê ao luxo de um café da manhã ou uma refeição tranqüila. Pelo contrário, não perca tempo e aproveite o horário das refeições para fechar negócios ou fazer reuniões importantes;

7. Não perca tempo fazendo ginástica, nadando, pescando, jogando bola ou tênis. Afinal, tempo é dinheiro;

8. Nunca tire férias, você não precisa disso. Lembre-se que você é de ferro (e ferro, enferruja!!!);

9. Centralize todo o trabalho em você, controle e examine tudo para ver se nada está errado. Delegar é pura bobagem; é tudo com você mesmo;

10. Se sentir que está perdendo o ritmo, o fôlego e pintar aquela dor de estômago, tome logo estimulantes, energéticos e anti-ácidos. Eles vão te deixar tinindo;

11. Se tiver dificuldades em dormir não perca tempo: tome calmantes e sedativos de todos os tipos. Agem rápido e são baratos;

12. E por último, o mais importante: não se permita ter momentos de oração, meditação, audição de uma boa música e reflexão sobre sua vida. Isto é para crédulos e tolos sensíveis…

Repita sempre : “Eu não perco tempo com bobagens”

————

Recebi por e-mail e achei ótimo para o atual momento… =D


reflexões flexíveis de quarta-feira

Os sentimentos que me povoam deveriam permanecer intactos, mas crescem vertiginosamente em escala máxima de medição. A mente, que em tese deveria estar calma e certa das coisas, do tempo e da vida, me trai, fazendo pensar coisas que não devo. Essa psicopatia extrema me faz constatar que sou louca mesmo, e que as coisas que faço, quero ou desejo são erros! Faz pensar que não sou eu a certa, a correta, a verdadeira. Faz com que eu coma poeira, ficando constantemente pra trás e pra trás. Quando é que vou poder voar em paz? Soltar as asas presas, correr pelo mundo, em meu tempo, em meu passo, em meu ritmo. Sinto-me tão insatisfeita, que penso que faço desfeita, a quem ousa me amar. E se começo a cogitar o que poderia ter sido, vou desesperadamente apagando esses pensamentos doentes. Não é “o que deveria ter sido”. É o que é. O que foi já era, ces’t fini! Quero fazer o que vai ser, não pensar no que não foi. Quero crescer, quero fugir, quero sumir. Quero ter tudo que não tenho e o que possa chegar a ter. Quero apenas viver.
[…]