Daily Archives: March 5, 2011


angústia

isso não pode ser considerado sentimento. deveria ser proibido este tipo de dor, que encolhe o coração tanto que não é possível encontrá-lo depois de um tempo. o pior de tudo talvez seja o gosto amargo na boca. quem dera pudesse ser curado com doces, chocolates (ou beijos)… não… enquanto essa dor fina não cessa, enquanto o coração não esquece o motivo da angústia, não há nada a fazer que possa atenuar, diminuir. só esperar, esperar, esperar… até que o tempo trate de fazer passar. até que o destino mude o curso das coisas. até que a vida se encarregue de oferecer uma nova chance de tentar…


meh [1]

uma das coisas que eu mais odeio em mim é essa coisa de ser boazinha. reajo a coisas que são incompatíveis com reações amenas, sendo polida, racional, justa… eu deveria estar quebrando copos, chutando o pau da barraca, xingando a mãe. mas não… eu entendo tudo, racionalizo tudo, compreendo tudo. toda boazinha. e cretina. o quanto isso é bom ou ruim eu nem consigo analisar direito, porque a vista turva não deixa. mas vai passar: é o que você sabe quando acontece uma coisa dessas. é o que fica martelando na sua cabeça há horas, junto com a dor de ter (aparentemente) falhado miseravelmente. :}


skap

Quando você pinta tinta, dessa tela cinza
Quando você passa doce, dessa fruta passa
Quando você entra mãe-benta, amor aos pedaços
Quando você chega nega fulô
Boneca de piche
Flor de azeviche

Você me faz parecer menos só
Menos sozinho
Você me faz parecer menos pó
Menos pozinho

Quando você fala bala, no meu velho oeste
Quando você dança lança flecha, estilingue
Quando você olha molha meu olho que não crê
Quando você pousa mariposa morna, lisa
O sangue encharca a camisa

Você me faz parecer menos só
Menos sozinho
Você me faz parecer menos pó
Menos pozinho

Quando você diz, o que ninguém diz
Quando você quer, o que ninguém quis
Quando você ousa lousa pra que eu possa ser giz
Quando você arde, alardeia sua teia cheia de ardis
Quando você faz a minha carne triste, quase feliz.

;~