loucuras


14 NOMES. OI? 18

Vamos logo ao FAQ pra encurtar o processo de explicação:

1 – Como assim 14 nomes?

Meu pai é louco e pira ser da família real. Por mais que não seja a verdade, é a forma mais fácil de explicar o que fizeram comigo e meus três irmãos (Pedro com 12, Isadora e Mª Anísia – irmãs por parte de pai – com 13 nomes cada). Diz a lenda que, como eu e meu irmão fomos os primeiros filhos, netos e sobrinhos da família toda (que não tinha uma criança sequer pra fazer a alegria da casa no natal), Papai resolveu fazer uma homenagem à família. Foi juntando tudo que é nome e deu nisso.
2 – E você assina tudo?
Óbvio que nem sempre eu preciso assinar o nome completo. Nas poucas vezes que isso acontece, dou logo um jeito de abreviar ou rubricar. O que me irrita é preencher aqueles formulários onde deixam uma linha de 10cm pra pôr o nome completo. Sempre ultrapasso a linha e começo a escrever na vertical da página. Be-le-za!
3 – E demorou de aprender a falar?
Bom, eu não fui uma criança prodígio, mas creio que aprendi a falar meu nome até cedo. Com 3 anos meio. Meu pai também, que não era bobo nem nada, fez uma música com meu nome pra facilitar a aprendizagem. Era cantoria o dia todo e a buchechuda aqui ia aprendendo esse nome grande de meu Deus.
4 – E escrever?
Poxa… O fato de eu ter me alfabetizado duas vezes, conta? *risos* Calma, não é bem isso. Não repeti a alfabetização por não saber escrever o nome. O problema é que eu fiz a alfabetização até o meio do ano na Bahia e depois fui morar em Minas. Eles lá, me obrigraram a fazer o curso regular… Aí eu acabei fazendo duas alfabetizações. Mas que ajudou, ajudou. Posso não ser a rainha da caligrafia, mas pelo menos escrever bem eu sei.

5 – Atrapalha sua vida?
Depois que eu tirei RG, CPF, Título de Eleitor, abri conta em banco etc e tal, tudo ficou mais fácil. Mais fácil de não só de explicar, como de comprovar (já que certidão de nascimento não tem foto).
6 – Mas e aí?
A parte boa vocês nem pensaram ainda. Nesse fim de ano eu vou colar grau na faculdade (vou ser administradora, finalmente. O que não diz NADA, mas fazer o que, né…). Vou mandar alguém filmar a chamada para a colação e o reitor falando meu nome completo! Olha que beleza! “Conferimos o grau de bacharel em administração a Brisa Dalilla Maria Leopoldina Terra Marialda Segunda Mendonça Barrêto Marques de Leão e Sousa, amém!”. Vai ser viral, meus amigos. Globo, aqui vou eu!!! *risos* Bom, filmei o vídeo, coloquei na internet e virou um viral (redunda, mãe!) =D Clicaê pra ver a repercussão do babado! Não fui pra Globo, mas alcei minha escalada a sub-web-celebridade (like @lucasfamapop)… Annnh… Errr… NOT!


reflexões flexíveis de quarta-feira

Os sentimentos que me povoam deveriam permanecer intactos, mas crescem vertiginosamente em escala máxima de medição. A mente, que em tese deveria estar calma e certa das coisas, do tempo e da vida, me trai, fazendo pensar coisas que não devo. Essa psicopatia extrema me faz constatar que sou louca mesmo, e que as coisas que faço, quero ou desejo são erros! Faz pensar que não sou eu a certa, a correta, a verdadeira. Faz com que eu coma poeira, ficando constantemente pra trás e pra trás. Quando é que vou poder voar em paz? Soltar as asas presas, correr pelo mundo, em meu tempo, em meu passo, em meu ritmo. Sinto-me tão insatisfeita, que penso que faço desfeita, a quem ousa me amar. E se começo a cogitar o que poderia ter sido, vou desesperadamente apagando esses pensamentos doentes. Não é “o que deveria ter sido”. É o que é. O que foi já era, ces’t fini! Quero fazer o que vai ser, não pensar no que não foi. Quero crescer, quero fugir, quero sumir. Quero ter tudo que não tenho e o que possa chegar a ter. Quero apenas viver.
[…]

vontades estranhas e fatos randômicos 2

*eu sou estranha
*eu sou extremamente estranha
*eu sou eternamente insatisfeita

*quero comer nuggets há dias e não consigo
*minhas noites não fazem o mesmo sentido sem o bbb
*eu não sei mais escrever
*itabuna me agonia fortemente
*não sei como desativa o despertador do relógio e ele toca todo dia às 17:12
*acho que não tenho sensibilidade. talvez no máximo uma “nonsense”bilidade

*quero uma casa minha
*quero um gato siamês de nome Blasè
*o fato de eu ter 4 periquitos impede isso, claro
*voltei a malhar depois de mais de três anos parada
*percebi que continuo não levando a academia a sério
*como não levo a sério zilhares de outras coisas

*cada dia eu me torno mais antisocial
*não tô afim de saber se antisocial tem hífen ou não
*foda-se a reforma ortográfica
*fiquei quase 4 dias sem fumar
*voltei a fumar como se fosse a coisa mais normal do mundo (e quer saber? é!)
*tenho necessidade de ser ouvida

*me descobri mais ciumenta do que o normal e não gosto disso
*saudade de conversar com meu alter-ego predileto
*vontade de largar o trabalho e virar hippie em barra grande
*estou emagrecendo a olhos vistos e roupas de 2003 estão cabendo como uma luva
*o problema é que quando tô magra meus peitos somem em relação ao tamanho da bunda, que nunca diminui
*ainda não desisti de ir pra globo

*vou me inscrever no próximo bbb
*ainda não desisti de ser cada vez mais feliz

1beijo e 2queijos
flz psc
:*


vá tomar no colo do seu útero! 5

Tudo começou quando eu ainda era mata virgem, ainda intocada, fechada para os lenhadores morenos, sarados e de olhos cor mel… E toda menininha que se preza faz visitas ao ginecologista, coisa de praxe mesmo pra quem ainda não liberou a perseguida. Só que certa vez eu decidi ir sem mamãe do lado e a médica (que eu nunca tinha ido antes) não me perguntou se eu já tinha dado ou não e enfiou um espéculo nas minhas partes baixas. Pause para explicação: meninas puras não passam pela tortura do espéculo, esse negóz prateado aí do lado… Se não guenta um pinto ainda, vai guentar isso aê? Em teoria não, mas eu ganhei esse brinde. Fui *especulada* antes de ser deflorada. Coisas que só acontecem comigo mermo.

E, ô negocinho que incomodou, viu? Ela enfiou a parada fechada e lá dentro abriu até parecer que ia me lascar no meio. A médica ainda deu uma girada supimpa lá dentro pra visualizar melhor, que eu vi estrelas coloridas mil. Depois do exame desnecessário ela disse “Gatinha, você está com uma feridinha no colo do útero.”. E eu calmamente “Mas eu nunca transei, Dona Doutora. Coméquipode?“. Niqui ela responde, me censurando “Seria bom se você tivesse avisado isso antes, pra eu não ter colocado o espéculo…”,  e eu “Ué, você não perguntou…”!

Adiantando o papo, prrq senão a gente ia ficar naquela até o próximo milênio, eu pedi pra ela me explicar como eu tava com uma ferida na porra do colo da desgrama do útero se nunca tinha dado minha xexeca! Ela disse pra eu me acalmar, que aquilo era uma coisa congênita, que não tinha ver necessariamente com relação sexual, essascoisa e tal. Veio de mamãe pra filhinha. Em tempo: Valeu, mãe! Voltando… Segundo a doutora, bastava cauterizar a ferida e tava tudo lindo. Não me proibiu de nada e marcou pro outro mês, prrq tinha que ser logo depois da menstruação (ói a feridinha aí do lado, bombando o planeta).

Não sabia eu que conheceria os prazeres do sexo logo nesse intervalo de tempo. Já disse que essas coisas só acontecem comigo? Então… Depois de um mês de descobertas a acessos inimagináveis em meu lindo e roliço corpinho, fui na tal médica cauterizar a feridinha lindinha. Foi bem legal. Mais processo de enfiar espéculo, abrir espéculo, girar espéculo. Ainda colocou um câmera pra eu ficar assistindo, supimpa! Pelo menos eu fiquei sabendo que beleza interior não é meu forte. Aquelas mesmas coisa de sempre, pressão baixou, desmaiei, posição de trendelemburgblablabla. Entre colos e feridos, salvaram-se todos.

Depois vem ela me dizer que tem que ficar um mês sem fazer ozadia. Mas que pra mim não valia, já que eu era vilge (maria!). Ela não ia imaginar que em um mês eu ia liberar a periquita, né… Ô pôvo crédulo! O problema não é necessariamente ficar 1 mês sem fazer sexo e tal. Super normal. Isso acontece de vez em quando comigo… O problema é você saber que não pode fazer! Isso mata qualquer ser que tenha duas pernas para abrir.

De maneiras que o novo namoradinho teve que segurar um mês sem acessar minhas reentrâncias, o que quase deixa o menino doido. Até hoje não posso garantir que ele não tenha procurado assistência profissional em algum brega ou coisa que o valha… Mas se a necessidade o levou lá, o bichinho usou camisinha e escondeu todas as evidências direitinho pra que eu não descobrisse. Já diria o poeta, né: “Visibilidade opaca; Cegueira seletiva…”

O caso desse texto todo acima é que, depois de milênios passados, depois de eu ter cauterizado a ferida e depois de eu ter desmaiado durante a porra da cauterização, a feridinha no colo do útero voltou. E lá vou eu pra mais processo de enfiar espéculo, abrir espéculo, girar espéculo, cauterizar e o escambau. Mas o pior, o terrível, o mais preocupante fato de, denovo, não poder fazer sexo por um mês!!! E outra… Eu não tô namorando, não tô com peguete fixo… Mas quer apostar quanto que assim que eu cauterizar a desgrama do colo do meu útero, aparece um?!
_______________________________________
Ps: Texto escrito em 09/02. Precisamente 13/02 eu comecei a namorar. Preciso dizer a dificuldade que eu passei nesse mês? HAHAHA


sabe, tchurururu… 3

Minha cabeça é uma coisa louca, sabeammm… É, pra explicar bem explicadinho, um antro de pensamentos desconexos descontrolados e impossíveis de se prever (até por mim mesma). Tipos quando você acorda com a maior certeza da sua vida e tá super *aceitativa*, porque realmente é a decisão mais acertada e talz. Aí, pans, passa um mísero minuto e você já não sabe mais de nada. A decisão tão certa é uma merda e já não sabe o que fazer da vida casar ou comprar uma bicicleta. Faz favor, GOD de my life, na próxima encarnação me faz homem, ou quem sabe uma pessoa corretinha que só tem que pensar em coisas banais. Tá bom, eu penso coisa banal pra caralho… Mas no meu caso reflete inteligência e sagacidade (=D).
Bah! Deve ser prrrq é hora de dormir e meu organismo é um enfant terrible, que frequentemente (trema? niente!) me embaraça nas horas mais impróprias e não me obedece meishmo! Queria virar a noite falando baboseiras, mas quem guenta? Pálpebras pesam, cabeça pesa, coração… Ah! Esquece o coração! Esse aí já tá lascado em banda… 😛
beijosmebipem :*