dispensada de salvar universos

posse

Deixo-te chegar, assim, em silêncio;
Arriar o cansaço em meu colo
Olhar profundo, medo do mundo;
Carente de amor, sede de mim…
Deixo-te falar assim, devagarinho;
Sons bem articulados, pensamento censurado;
Boca carnuda, gostosa de beijar;
Fome de paixão, envolvimento;
Deixo-te deitar, aqui, ao meu lado;
Desejo ardente, translúcido, na mente;
Não reajo, insisto, instigo, te excito;
Deixo-me amar…

Amanda Prattini

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *