dispensada de salvar universos

Só-neto

Não que eu quisesse me afastar de teu cheiro,
Mas sinto que o que passou não pode voltar,
E não tenho mais o que esperar.

Relembro teu gosto doce e penetrante,
Então me perco em pensamentos loucos,
E me afago sozinha. Na tua. Na minha.

Não te perderei sem antes saber,
Qual teu carinho preferido,
Como é teu grito de prazer,
Que mantra entoas enquanto dorme.

Sei que ainda não perdi, pois estás aqui em meu ventre.
Incrustado em meu corpo e no pensamento.
E não há mais tormento, perdição ou paixão.
O que me preenche agora é o amor, nada mais.

Brisa Dalilla =2006=

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *