dispensada de salvar universos

LUAR INABALÁVEL

Hoje vejo o luar, que me envolve.
Peço pra que a noite não se vá…
Prezo esta luz, que no infinito me absorve,
E que mostra decisões a tomar.
Tô pensando em fazer loucuras!
Mas loucuras não irão bastar.
Talvez baste o que tenho a dizer
Deste luar sem precedentes reais.
Ninguém sabe as respostas!
Então porque perguntar?

Amamos em silêncio,
Numa roda sem saída,
Numa indecisão infinita,
De quem não quer tentar.
Não adianta tentar fugir ou não ver,
Pois eu sempre te confundo.
Se fugir, me terás no pensamento.
Se não vir, o inconsciente verá.
Aqui sou anjo sem asas,
Voando em meu céu, iludido.
Com você sou poeta sem palavras,
Em busca do tempo perdido.

Brisa Dalilla =03/05=

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *