dispensada de salvar universos

[PÉS DESCALÇOS]

Tropecei meus pés cansados
Em seus mares cheios de percalços.
Bem assim…
Bem sem querer.
Sem esperar.
Caí de cheio, de forte.
De vontade.
Até porque andei até agora
Tropeçando em tantos pés que não serviam bem.
E você foi o par errado que me calçou
(in)certo, (in)correto, (in)completo.
O pé errado e descalço, que trocou alguns percalços
Pra se encontrar com meus pés cansados.
E me cobriu bem, me abraçou bem…
Me senti e me sinto bem.
Entendi que não preciso sempre pisar sozinha,
Tropeçar ou cair sozinha.
E apesar da solidão que às vezes nos faz,
Poder andar juntos em nossos momentos de eternidade
Me faz mais.
Agora sei que se for para passar por essa vida
Sem tropeçar por esses pés descalços
E os percalços deliciosos-estrondosos do sentir.
Não quero passar!
Quero andar, cantar,
Tropeçar, cair, sentir…
E repetir. Repetir. Repetir.

Brisa Dalilla =06/06/2006=

*Foto surrupiada há muito de algum flickr alheio (que não lembro qual)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Um pensamento em “[PÉS DESCALÇOS]”