dispensada de salvar universos

A ARTE DO ENTOJO

Não sei até onde o Entojo
é cena ou encenação.
Realidade ou imaginário.
Verdade ou habilidade de quem mente.
De quem transforma a realidade
em outras realidades,
só pra esconder a mensagem aparente…
Não sei até onde o Entojo
me beija ou me apedreja.
Me consola, me assola ou me dá de sola!
Me descontrola…
Sei lá o que vem de lá!
Nunca se sabe…
Pode ser um afago, um engasgo
Ou mesmo um desengasgo
amoroso, furioso e, por vezes,
diria até… impiedoso.
Mas vem de dentro pra fora…
E pra mim, Sir Camena,
Que sempre lhe oferece a outra face,
Importa apenas a sua arte.
A arte do Entojo do qual faço parte.

Pedro Camena. 26.08.2008.

Deixe uma resposta para Fábio Buchecha Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 pensamentos em “A ARTE DO ENTOJO”