dispensada de salvar universos

TUFÃO


Começo por onde devo.
Me apego.
Não me nego!
Me entrego
E aceito.

Envolvo.
Comovo.
Com meu entojo
E minha alma transtornada.

Viro pulsação pura.
Rasgo a roupa!
Te [e me] sinto. Chego ao êxtase.
Gozo até a última gota…

Amo, estremeço
E entorpeço.
Aí pronto, acabou?
Não… Isso não acaba,
Não finaliza!
Até que o
tufão em meu corpo
Finalmente vire
brisa

Brisa Dalilla =07/09/2008=

Deixe uma resposta para eilin Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Um pensamento em “TUFÃO”