VERDADES-MENTIRAS II


Eu escrevo para que você veja
Minhas verdades-mentiras,
Escancaradas como meu jeito rude.
Porque a tal verdade-mentira
Vai me ferindo,
Lenta e dolorosamente.
E o dia que conseguir livrar-me dela,
Será um dia de redenção!
E ela não machucará mais a mim,
Mas sim a outro coração burro,
Outra mente desgovernada,
Outro corpo usado,
Outra pessoa inconseqüente,
Ou algo mais parecido com gente…

Brisa Dalilla =10/10/05=


Sobre entojo

É alma que não se cala; Palavra que tira de tempo; Transbordo de sentimentos... Não é sopro, nem é v e n t o; É livre, leve e solta; É ar em m o v i m e n t o…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *