dispensada de salvar universos
“Sinto os tornozelos e os pulsos ligados a uma corda invisível. Estou suspensa no ar e alguém lá embaixo puxa e grita com uma voz infernal, e outro alguém puxa lá de cima. Eu balanço e choro, às vezes toco as nuvens, outras vezes os vermes. Repito para mim mesma meu nome: ‘Melissa, Melissa, Melissa…’ Como uma palavra mágica capaz de me salvar. Agarro-me em mim mesma, estou grudada em mim…”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *