Arquivo mensal: setembro de 2008


Antiguinhas

___________________________________

VAZIO

.Sem palavras;
…… Sem espaço;
………. Sem vícios;
…………… Sem apego;
……………….. Sem razão;

Sem…

Brisa Dalilla =05/05
___________________________________

PARADOXO

A mente está vazia,
E não só de pensamentos.
O coração está vazio,
E não só de sentimentos.
O corpo está vazio,
E não só de alimento.
Estou vazia,
E não só de você.
Também de mim…

Brisa Dalilla =2005=
___________________________________

DEIXEM-ME EM PAZ…

Só vejo sorrisos falsos.
E por trás disso há sempre um sentimento
Que não estamos prontos pra mostrar, dividir.
Sempre tentamos omitir nossas emoções,
Por medo da incompreensão alheia.
Não quero mais tudo isso, oras.
Apenas deixem-me em paz…

Brisa Dalilla =11/08/04=
___________________________________


Ataque de Bridget [1] 1


Poizintão… Tava cá conjecturando com meu botões. Será que eu não sou mesmo uma pessoa casável? Ou, pelo menos, a classe masculina atual parece achar isso verídico. Porra, velho! Será que só porque eu não sou totalmente certinha e ligada às convenções comuns da sociedade, eu não sou casável? Sei fazer uma macarronada massa, supimpona. Quando tô afim, sei arrumar a casa como ninguém. Tenho um tino show de bola pra decoração. Sei delegar funções e mandar (isso é muito bom pra saber coordenar as empregadas e tal). Sei me portar. Sei me arrumar. Tenho senso do ridículo e um desconfiômetro que funciona a todo vapor. E, last but not least, eu sei amar pra caramba, caramba! Do que é que precisa mais? Porque eu não sou uma pessoa casável? Na verdade, ultimamente, não tenho sido nem namorável, né. Tá foda. Vai ver que esse povo tem medo de mim. Seilá, seilá… Putz, mas e se eu virar uma daquelas tiazinhas solteironas e legais que moram sozinhas em algum apê da cidade grande, superrrrrr bem sucedidas profissionalmente e fodidas emocionalmente????? E se eu ficar pra titia? Gente, pensa bem. Se uma porra dessas acontece, eu posso, num dia lindo do ano 2035, acordar morta (quer dizer, se eu tô morta, nem vou acordar) com apenas meu gato siamês (Blasé… É, esse vai ser o nome dele) lambendo a minha boca e pedindo mentalmente “Volta, Brisa, volta! Eu só tenho você na vida!”. E os bombeiros gostosos e/ou policiais da missão especial gostosos (ou seilá quem que vai me achar) só vão ter aquela reação de pena “Olha, aquela publicitária-produtora-marketeira famosa. Tadinha, morreu aqui assim, sozinha”. Tá tô tendo mesmo um ataque Bridget Jones supimpa nos últimos dias. Tudo que eu penso é babaquice emocional, derramo zilhares e zilhares de lágrimas só olhando as nuvens passarem e penso que vou morrer velha, abandonada e feia, e não como nos meus sonhos dourados de morrer jovem, linda e bombando toda global, matando todos meu ex-ex de saudade! HA—-HA—-HA Cara, com essa imaginação que eu tenho das duas, uma: ou eu viro uma redatora-escritora-produtora-publicitária famosa ou então…. Então…. Então…. Não! Não existe segunda opção! Eu não vou virar uma tiazinha solteirona e legal que mora sozinha num apê da cidade grande, super bem sucedida profissionalmente e fodida emocionalmente! Próximo projeto de vida: tornar-me uma pessoa casável! Será que isso vai dar certo?
Continua…. (eu acho)

Ps: esse foi um ataque de sentimentos a la Bridget Jones. Se você não sabe quem é ela, o google é seu pastor e nada lhe faltará;
Ps 2: não dá pra ser libertária o tempo todo. Todos nós temos nossos ataques mulherzinha/homenzinho;
Ps 3: se algum psicólogo quiser me analisar de graça, tamos aí. Meu plano se saúde não cobre essas coisas…
Ps 4: a falta de cigarros mentolados está me deixando uma pessoa inutilizável…

Ps 5: me dá um chocolate ****
Ps 4: tá bom de ps já, né?

Je ne sais plus

Meu horóscopo falou que meu humor ia acordar ótimo. E realmente acordou. Mas não sei… Não sei. Tem aquela coisinha no fundo do peito apertando sabe? Aquela parada meio idiótica de sexto sentido feminino (que ás vezes eu preferia não ter!)… Tá pode ser que a alimentação (ou falta de) do fds tenha me deixado com uma azia estranha, que eu devo estar encarando como outra coisa… Seilá. Mas o aperto tá grande. Não gosto disso. As poucas vezes que isso aconteceu eu me lenhei bonito. Sempre acontece alguma merda bigmente enorme. Mas vamo lá, né? Acho que as coisas não tem como piorar, né? Senão dessa vez vou parar no Japão, cavando meu poço sem fim. kkkkkk Me poupe… Deixa eu ir trabalhar que (como sempre) tô falando besteira. Imitando Manu: Beijo, outro, tchau!

Relembrando…

“Oh! Cride, fala prá mãe
Que tudo que a antena captar
Meu coração captura
Vê se me entende
Pelo menos uma vez
Criatura!
Oh! Cride, fala prá mãããããããããããããe…”

Titãs – Televisão
http://www.youtube.com/watch?v=EFHPaihbMTY

Noite na casa de Dalmarzinho em Conquista (2007)… Muita viola de Anjito, a batucada de olodum de Giander e Bito, e muita amizade. =D Pra você ver como as coisas mudam… Anjito e Lana já tão com uma filhota nos braços. Gi e Si finalmente juntos na house deles. Dalmar e Cleíta que continuam no mesmo amor, não muda mesmo. Eu de volta a Itabuna. Bito na España. Mamy de volta a Itabuna também. Como as coisas mudam rápido, né? Nestante sua realidade é uma. De repente muda tudo! Tô prevendo muitas mudanças para os próximos tempos. Como diria Lombardi “Aguardemmmm”!

Babaquice emocional 4

Porquê as pessoas fazem questão de ser más, cruéis, vis (e qualquer outro sinônimo malévolo que você puder pensar)???? Porque, porquê, por que (tá, eu não sei usar os porques!)???? Tipo, quando você bem adolescentezinha, no aaaaaauge dos seus hormônios, acorda e se depara com aquela espinha de bruxa da carochinha, má instalada na ponta do seu nariz (ou queixo, ou no meio da testa)… Já dá um desespero louco do estilo “não vou sair de casa nunca mais!”. Aí, você bem linda-loira-japonesa resolve sair de casa, depois de passar dois quilos de corretivo pra esconder o estrago e vem aquela pessoa (má, cruel, vil) te perguntando: “O que é issomm no seu queixo-nariz-testa-whatever? Uma espinha, éééé??”. E faz aquela cara de “vitóóóóória dos céus, eu não tenho espinha”, esperando sua resposta. Você claro, arrasada e sofrida, só dá um sorriso amarelo e explica que são os hormônios e tal tal tal. Mas pra queêêêê caixas d’água alguém tem que fazer uma coisa dessas? Não já sabe que a pessoa já deve estar se sentindo a ameba do cocô do cavalo do bandido e ainda piora toda a situação, reduzindo-a a uma espinha amarela e purulenta ambulante? Pessoas más, cruéis e vis como essa merecem um bom e sonoro tapa no meio da fuça pra aprenderem a tomar seu comprimido de semancol de manhã cedo. Ou então deveriam juntar uns trocadinhos e comprar um desconfiômetro na Ricardo Eletro (super promoção do diammmm, pague dois leve ummm) pra deixarem de ser abestadas! Ô, mas eu morro de ódio!!!! Todo esse discurso raivoso aconteceu do nada? Nonnnnn! Claro que tem motivo. Acordei hoje super-mega-maxi atrasada pra chegar no trabalho (tipo, cheguei uma hora depois e todo mundo esperando na porta, porque eu tenho a chave) e não pude dar aquela arrumada matinal na lataria. Não deu tempo de instituir a guerra diária contra os pêlos malditos que surgem no meu queixo, devido ao excesso de hormônios de meu querido organismo. Aí já viu, né? Pra um observador minucioso que pára e pega meu queixo com a mão e analisa com lupa a situação, eu sou uma mulher barbada. Mas sei que são simples pêlinhos no queixo. Babaquice pura, né? Apenas pêlinhos… Bah! Mas eu odeio, eu detesto ter essa fauna de pelos escuros pelo meu queixo lindo. E isso me irrita. E já basta essa auto-irritação. Não preciso de ninguém apontanto pra mim e dizendo “olha, ela tem barbinha”! Mas é o que normalmente acontece. Estou rodeada de pessoas más, cruéis, vis e sem desconfiômetro, que me destrooooem com essas coisas. Bom… Acho que agora eu já desabafei. […] […] […] […] […] Agora me resta aproveitar o horário do almoço, pegar minha bela e linda pinça e guerrear contra os pêlos malditos que resolvem aparecer onde não são chamados. Deus é pai e sei que vai me fazer rica pra abusar do bem que é a depilação definitiva. Aleluia, aleluia, aleluia. AMÉM!

segue o seco 1

grito seco
segue seco anda seco
corre seco morre seco passa seco
pesa seco tudo seco!

grito seco
dorme seco ferve seco
quebra seco perde seco desce seco
vive seco tudo seco!

grito seco
cresce seco leva seco
fala seco cala seco mudo e seco
mundo seco
turvo e seco!


Que diabos! 1

Eu não quero noite sozinha,
Não quero açoite, perdida na minha…
Não quero nada disso que você tá pensando.
Eu quero calma, eu quero cama,
Eu quero a fama de deitar na cama
De quem eu quero de verdade.

Eu quero verdade, quero realidade.
Quero ser mulherzinha mesmo.
Quero tudo que não acham que quero.
Eu quero o mundo sim.
E o meu mundo
Do meu jeito, da minha forma,
Com o escopo que imagino,
É cheio de felicidade, de cumplicidade.
E sempre pode ser sem cobranças e pressão.
Quero poder sempre segurar sua mão.
E não ter que me conter de ter qualquer coisa a mais.
Quero ser quem sou, mas quero ser mais.
Quero poder abraçar, aconchegar, acolher
Sem me recolher.
Essa existência fugaz,
Escorre pelos meu dedos.
E eu não contenho, eu apenas vivo.
Vivo com tudo que tenho,
(e tento não reclamar).
Vivo retida no meu espaço, presa no meu laço,
Às vezes fechada numa redoma de aço.
Mas é isso. Eu que escolho, eu me encolho.
E me saboto.
E eu queria não me sabotar.
Se os erros são meus, queria aprender a não errar.
Já disse, só quero fazer bem.
A quem escolho, a quem me escolhe,
A quem amo e que me ama.
Não quero nada disso que você tá pensando.
Eu quero calma, eu quero cama,
Eu quero a fama de deitar na cama
[de quem eu quero de verdade].

Que diabos!

Brisa Dalilla =12/09/08= 23:10


Você me sente

Você me sente…
Dentro ou fora do seu espaço
Fora da órbita do seu abraço
Do seu enlaço

Você me sente…
Em cada um dos meus traços
Na minha franqueza, no meu embaraço
Em tudo que faço…

Você me sente…
Sente cada um dos meus passos
Quando piso firme, em falso
E até mesmo descalço

Você me sente…
No meu sucesso, no meu fracasso
Na minha falta de espaço
Cada um dos meus pedaços

Você me sente…
Quando me escondo, quando te caço
Quando te rogo, quando te rechaço
Quando te amasso…

Você me sente…
Você me sente…

Pedro Camena =12/09/08=

Poesia Vermelha

Seus olhos espiavam

Os cabelos vermelhos da menina

Com uma enrolada melodia saborosa na boca…

Seus olhos espiavam

As atitudes vermelhas da menina

Que se escondiam sob o lençol rasgado com força...

Seus olhos espiavam

Mas não entendiam nem alcançavam as atitudes vermelhas

Da menina de cabelos vermelhos

Brisa Dalilla =18/05/2006=